Do querer conhecer

Homem cruzando a esfera celeste

É céu.
Mesmo céu de pontos de ontem
Do quase céu de pronto de agora
Quase ontem (também).

A lua sempre levanta
Depois
E não há como depor
Contra aquilo que pode não ser.

Estrelas conjugam o verbo possível
Em constelações
Tempo partido
Em riscas que giz ao vento.
E me perco

Me perco na linha de triz;
No fomento do risco
Da conta de arestas em estrelas
Redondas

E na fome de ver a esfera
De fora.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s