Do método

Cidade à noiteVolto às mesmas águas rasas
Em que a cidade se pontua em luas
Trepidantes.

Não se  sabe ao certo
Que estranhamento se procura
E em qual ponto da linha
A poesia afunila.

Não se sabe ao certo
Em que varal a borboleta pousa
Nem em qual boca a gula
Do beija-flor vai sorrir.

Não se sabe ao certo
Que nuvem dará vazão
À constelação de sereia

Nem onde ou como se estrangula
Uma flor esquecida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s