Linhas

As linhas desenham a cidade,
Ascendem nos prédios,
Contornam janelas,
Portas, postes, hostes…


Exceto as esferas
Nas quais as gentes se encontram.

Os traços abraçam a paisagem,
Enlaçam os ônibus,
Os carros, as motos…
Exceto os mortos,
Que no subsolo descansam.

Os volumes
Abarcam o de costume.

Afinal,
São linhas em traço oportuno.

Contudo, não confinam,
Nem desenham
O que os sentidos
Desdenham.

Anúncios

2 comentários sobre “Linhas

  1. SOBRE O POEMA: É como houvesse uma incompatibilidade entre o esboço de um lirismo em busca do traço e a rejeição por aquele que SENTE liricamente. Boa solução no poema. Bom andar da carruagem.

    SOBRE EU: Desculpe-me os comentários obscuros e desajeitados. Faz parte da minha forma de gostar.

    SOBRE O BLOG: Que BOM! Já vou adicionar lá no meu pra a gente se acompanhar,

    Um abço
    =;B

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s