Pose

PoseA natureza se derrama de rir
Num rio que deságua
Nos mares das nossas saudades,
Silêncios e incertezas.

Que no cio do ciclo
Das águas dos risos
E dos prantos
Possamos,
Sim, possamos,
Posar felizes e contentes;
Maduros e matutos,
Por entalhes dos afluentes.

As nuvens riem em roncos
Posterior aos raios de luzes,
Seguidos pelas cruzes
No círculo de risos
E sacrifícios.

Vejam o rio
No quadro do segundo estático
E posem para a foto dos deuses.

E tenham ciência que seremos lembrados,
Ou assim será em aparência,
Até que nosso porta retrato,
Em silêncio, à mesa
Desabe.

29/03/2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s